A falta de agenda do líder para a equipe

 

 Segundo  afirmação de Vicente Falconi a existência de lideranças nas organizações é essencial para dois fins bem específicos, desenvolver seus subordinados e resolver problemas, caso contrario não seria necessário liderança.

Para isto é necessário ter agenda, portanto priorizar as pessoas em relação às demandas de trabalho é algo de valor incalculável e muito pouco praticado.

Observamos em nossa convivência nos trabalhos de consultoria com os mais diversos lideres e todos os níveis de maturidade o fato de que a atenção para seus subordinados vem normalmente depois do interesse por estratégias e processos, o QUE,  QUANTO Vem antes do que o COMO e POR QUEM é feito o resultado.

Ausência de feedback é uma realidade observável, assim como o tratamento adequado dos problemas de desempenho, se houver será via de regra de forma pontual, reativa e muito provavelmente não abordara comportamento e sim processo, ainda podemos citar situações voltadas para correção de maus hábitos no trabalho, estas unicamente em casos de indisciplina e assim vai!

 Como se trata de uma constante, a falta de agenda se estende até mesmo para os processos de desligamento, pois é muito comum pessoas serem desligadas muito tempo após o momento indicado acarretando por  vezes ônus para a empresa, pois a demora pode gerar desgaste que se reflete numa futura reclamatória trabalhista ou até mesmo na  desmotivação de outros colegas e conseqüente redução da produtividade da equipe, entre outros custos visíveis e invisíveis.

Cada dia fica mais evidente a necessidade de uma ação objetiva e assertiva  incorporada aos hábitos das lideranças. Devemos tratar esta competência (agenda do líder) com prioridade máxima, apoiando com metodologia apropriada, pois sem o SABER a consistência dos atos vai ficar prejudicada. Depois é necessário apurar a técnica e aperfeiçoar na execução melhorando a habilidade a fim de garantir o SABER FAZER. Após e finalizando é necessário  o FAZER.

O sucesso começa pelo principal executivo da organização, se este não colocar na sua agenda a atenção para com as pessoas, todos os demais na empresa farão, se lhes convier. O exemplo do líder maior é antes de tudo uma inspiração para os demais, demonstra o interesse real pelas pessoas, mostrando ser o assunto uma prioridade e não apenas retórica.

Então mãos a obra, pois o desempenho dos negócios é conseqüência  do desempenho de pessoas.

 

Por Cassio Mattos

 

Solicite o Contato de Um Consultor