fbpx

Conduzir uma seleção é algo bastante complexo. Quando o foco é o preenchimento de cargos estratégicos, torna-se mais difícil ainda. Existem diferenças significativas entre um processo seletivo para executivos e um convencional, e isso requer a dose certa dos ingredientes para que o resultado seja o melhor para a empresa.

Todos nós sabemos que é um movimento natural de todas as organizações a busca por capital humano diferenciado, que esteja preparado para atuar de forma inovadora na solução de problemas e implementação de novas estratégias. No entanto, as empresas encontram certa dificuldade para preencher seus quadros. E os motivos são muitos. Um dos obstáculos que dificulta a seleção de executivos é a lei da oferta e da procura, uma vez que a busca das empresas por perfis diferenciados é maior que os executivos disponíveis para uma transição de carreira.

Outro fator que contribui para a busca incessante pelo capital humano é a falta de qualificação dos profissionais devido às constantes crises há alguns anos atrás. Esse panorama diminuiu o interesse de vários jovens e profissionais recém formados a seguirem carreiras em áreas que hoje estão muito aquecidas.

É importante destacar o preparo das universidades para capacitação de seus alunos frente às mudanças do mundo corporativo atual. Hoje não basta apenas possuir conhecimento acadêmico, é necessário que o profissional seja preparado também para lidar com ambientes competitivos e cenários globais.

Os consultores também precisam estar à altura: qualificados a recrutar e selecionar executivos, pautando as relações na ética e na transparência. O profissional precisa possuir habilidade para gerenciar possíveis conflitos de interesses entre as partes e acompanhar e dar feedbacks constantes sobre a evolução do processo para todos os envolvidos.

As empresas devem estar preparadas financeiramente para uma seleção desse porte. O custo de um processo seletivo desse nível é um pouco mais elevado do que o convencional. O profissional selecionado será admitidos para conduzir uma nova estratégia de negócio ou em uma substituição de executivo-chave da empresa cliente, o que requer grande discrição no mercado e avaliação criteriosa da expertise do profissional.

Quem quer mudar de emprego ou garantir uma recolocação profissional deve ficar de olho no cenário atual: As empresas buscam profissionais diferenciados, que deverão atuar como agentes de mudança e que consigam lidar de forma hábil e estratégica com as mais complexas questões e situações que impactam sobre uma organização, sejam internas ou externas. É imprescindível também que estes profissionais tenham um perfil de liderança, para gerir o capital humano, que hoje faz a diferença nas organizações.

FONTE: Executive News